Grama Missioneira-Gigante SCS 315 Catarina Gigante

Blog, Pastagens

A Grama Missioneira-Gigante SCS 315 Catarina Gigante é uma gramínea perene e ideal para o clima sul brasileiro. Uma cultivar resultante de mais de duas décadas de seleção e avaliação, pela Epagri, em diversas regiões do estado de Santa Catarina. Trata-se, de uma forrageira perene, com destacada produtividade, ótima aceitabilidade pelos animais, bons níveis de proteína e alta tolerância ao frio.

O Solo, o Clima e as Pastagens do Sul do Brasil

Os estados da Região Sul do Brasil (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul) somam uma área de aproximadamente 14 milhões de hectares de pastagens, segundo a EMBRAPA (2017).

As pastagens sul brasileiras normalmente são formadas em solos de média ou baixa fertilidade, áridos ou alagadiços. Porém, possuem a camada superior rica em nutrientes.

O Solo, o Clima e as Pastagens do Sul do Brasil
O Solo, o Clima e as Pastagens do Sul do Brasil

A Região Sul é caracterizada por apresentar um clima temperado, com as quatro estações bem definidas e chuvas regulares durante todo o ano. Em outras palavras, de abril a setembro costuma fazer frio e de outubro a março faz calor.

Alguns locais são mais frios, como as serras e o extremo Sul. Por outro lado, o litoral, as planícies de baixa altitude e as regiões mais ao Norte costumam ser mais quentes. Nestas últimas, o calor permanece por um pouco mais de seis meses.

Predominantemente, as pastagens Sul do Brasil são formadas por gramíneas nativas, poucas árvores ou grandes arbustos. As gramas mais altas costumam crescer nas pradarias úmidas, e as pradarias secas possuem grama mais rasteira. Além disso, as espécies nativas são pobres em proteína e sofrem ação das geadas, que são frequentes durante o inverno sulino. Ou seja, com a chegada da estação fria e das geadas, essas pastagens simplesmente secam, tornando-se indisponíveis para os animais.

Grama Missioneira-Gigante?

Em primeiro lugar, um alerta. Missioneira-Gigante foi o nome utilizado pela Epagri para disponibilizar, em 2002, uma cultivar de grama na qual a continuidade das pesquisas deu origem à SCS 315 Catarina Gigante. Posteriormente, com o passar dos anos, houve toda uma confusão ao redor do termo “Missioneira-Gigante”. Portanto, ao adquirir mudas de “Missioneira-Gigante” você pode estar adquirindo “qualquer coisa”.

Conheça a cultivar de Grama Missioneira-Gigante SCS 315 Catarina Gigante

A Grama Missioneira-Gigante SCS 315 Catarina Gigante (Axonopus catharinensis Valls.) apresenta crescimento semiereto, com presença de estolões e grande capacidade de reprodução e fechamento. Destaca-se pela predominância de folhas, com presença de talos apenas no período reprodutivo, alta palatabilidade, elevada resistência à cigarrinha-das-pastagens e adaptação a níveis moderados de sombreamento. Além de forte tolerância ao frio e geadas.

Qual é o diferencial da SCS 315 Catarina Gigante?

É uma gramínea perene de verão de alta produtividade e qualidade, com excelente aceitação pelos animais. Aceita sombreamento de até 40%. Possui ainda, excelente adaptação às condições edafoclimáticas do estado de Santa Catarina, bem como do Paraná e Rio Grande do Sul. Ou seja, é uma forrageira adaptada ao clima, relevo, temperatura, umidade, tipo de solo e aos níveis de precipitação do Sul do Brasil.

Como surgiu a Grama Missioneira-Gigante SCS 315 Catarina Gigante?

A SCS 315 é fruto de mais de vinte anos de pesquisa, seleção e avaliação, pela Epagri em Santa Catarina.

Trata-se de um híbrido triploide originário do cruzamento natural entre a grama missioneira (Axonopus jesuiticus) e o gramão (Axonopus scoparius), ocorrido em propriedades do Alto Vale do Itajaí.

Em 2014, a Epagri registrou a cultivar, junto ao Ministério da Agricultura, batizando-a de Grama Missioneira-Gigante SCS 315 Catarina Gigante. Foi disponibilizada ao público a partir de 2015.

A pastagem de SCS 315 é recomendada para que tipo de animais?

Essa pastagem é uma opção excelente para bovinos (leite e carne), equinos, ovinos, caprinos, suínos e aves. Praticamente uma ração a campo, apresenta alta palatabilidade, digestibilidade, bons níveis de proteína e grande produção de massa verde.

Como deve ser manejada esta cultivar de grama?

Deve ser manejada utilizando-se do sistema de pastejo rotacionado. O pastejo deve ser iniciado quando as plantas atingirem, pelo menos, 30cm de altura. E a retirada dos animais quando restarem cerca de 15cm de altura.

A SCS 315 Catarina Gigante tolera o frio e as geadas do Sul do Brasil?

Antes de tudo, a Grama Missioneira-Gigante SCS 315 Catarina Gigante é uma das pastagens mais indicadas para o Sul do Brasil. De origem catarinense, essa cultivar foi lançada pela Epagri, com intuito de oferecer uma forrageira produtiva, nutritiva e extremamente adaptada ao clima sulino. Sendo assim, é muito resistente ao frio e a geada. Contudo, seu crescimento é bastante reduzido durante os meses gelados.

A título de comparação, temos uma imagem da grama nativa comum de folha larga ao lado da Grama Missioneira-Gigante SCS 315 Catarina Gigante. Ambas após uma geada de média intensidade.

Grama Missioneira-Gigante SCS 315 Catarina Gigante após geada
Grama nativa de folha larga e Grama Missioneira-Gigante SCS 315 Catarina Gigante após geada

Além do baixo rendimento e estatura da grama nativa, também é possível notar que essa ficou totalmente “sapecada” após a geada. Em contrapartida, a cultivar SCS 315 Catarina Gigante praticamente não apresentou alterações, seguindo verde e disponível para ser consumida pelos animais.

Qual é o nível de proteína dessa grama?

Além de destacada aceitabilidade e digestibilidade, a Grama Missioneira-Gigante SCS 315 Catarina Gigante fornece entre 12 a 14% de proteína bruta. São ótimos níveis para uma gramínea.

Qual a produção anual de matéria seca por hectare?

Em condições ideais de manejo e adubação, essa forrageira produz entre 12 e 20 toneladas de massa seca ao ano por hectare.

Plantio da Grama Missioneira-Gigante SCS 315 Catarina Gigante

Plantar a SCS 315 Catarina Gigante não é uma tarefa difícil, mas exige certos cuidados. Veja a seguir, alguns detalhes que são importantes para o sucesso na implantação dessa pastagem.

Existem sementes da Grama Missioneira-Gigante SCS 315 Catarina Gigante?

Não. A Catarina Gigante é um híbrido triploide, estéril, sem produção de sementes viáveis.

Realiza-se o plantio exclusivamente por mudas ou estolões. O plantio de mudas enraizadas é a forma mais apropriada de implantação dessa cultivar. Portanto, recomenda-se adquirir mudas com produtores especializados.

Como plantar a Missioneira-Gigante SCS 315 Catarina Gigante?

O plantio das mudas, propriamente dito, pode ser realizado através das chamadas “plantadeiras de fumo”, em áreas onde o solo foi descompactado mecanicamente. Já em áreas onde não é possível fazer o preparo do solo, pode-se utilizar um furador feito de metal ou madeira resistente. Nesse último, as mudas são colocadas diretamente nos buracos feitos.

Para um melhor pegamento, é importante que as mudas sejam bem firmadas no solo. Não menos importante, se houver a possibilidade de plantio em época de chuvas regulares ou com irrigação, a taxa de sucesso será maior.

Qual a melhor época para plantar a SCS 315 Catarina Gigante da Epagri?

Recomenda-se realizar o plantio dessa cultivar do início de setembro até o final de abril. Por outro lado, nas regiões mais quentes, o plantio pode se estender por todo ano.

Particularmente, tenho obtido excelentes resultados com o plantio em abril, seguido da sobressemeadura de azevém. Dessa maneira, com o clima mais ameno, as mudas obtém um excelente pegamento. E o azevém protege as mudas dos ventos durante os meses de frio. Durante esse período gelado, a concorrência com ervas daninhas também é mais baixa. Após o frio, as mudas já estão fortes, bem enraizadas e prontas para emitir os estolões. Por último, no fim da primavera, o azevém deixa uma cama de palha que é rapidamente preenchida pela grama.

Como devo preparar o solo?

O solo pode ser preparado em sistema convencional (subsolagem/aração/gradagem), quando em áreas já agricultáveis que apresentem compactação. Ou pode ser realizado em plantio direto, sem revolvimento da terra. Em áreas com declives ou arborizadas, a SCS 315 Catarina Gigante pode ser plantada após a dessecação da grama nativa.

Esta grama é bem adaptada a solos de média fertilidade, mas exige pH acima de 5,0.  Após implantada, a pastagem deve ser adubada anualmente, normalmente no início da primavera e em meados do verão. A Epagri sugere a aplicação de adubação orgânica anualmente e também de, no mínimo, 150kg de N/ha durante o ciclo de crescimento.

Quantas mudas eu preciso para a minha área?

Para o plantio da SCS 315 Catarina Gigante, a Epagri recomenda espaçamentos entre 50 a 70cm entre mudas. Utilizando-se de um menor distanciamento entre mudas, sua pastagem irá fechar mais rápido. Além disso, você poderá introduzir os animais mais cedo. No entanto, antes de decidir a distância entre mudas, você precisa considerar alguns critérios: Tamanho da área, disponibilidade de recursos para compra de mudas e para o plantio, além da urgência em introduzir os animais.

Você pode calcular a quantidade de mudas necessárias através da seguinte fórmula matemática:

((1 / Espaçamento entre plantas em metros) / Espaçamento entre linhas em metros) * Área em metros quadrados = Número de mudas necessárias.

Lembre-se, 1 hectare corresponde a 10.000 metros quadrados.

Para facilitar, com espaçamentos de 50cm entre mudas, são necessárias 40 mil mudas/ha. E com espaçamentos de 70cm, são necessárias exatas 20.408 mudas/ha.

Qual é o tempo de formação da pastagem?

O período de formação é de 4 a 6 meses em regiões com clima mais quente e em torno de 12 meses em regiões com clima mais frio. Recomenda-se deixar a pastagem “fechar” completamente e atingir uma boa altura antes de introduzir os animais pela primeira vez.

Consórcio com Leguminosas

As leguminosas são bastante conhecidas por fixar nitrogênio no solo. Isso ocorre através de uma relação entre o rizóbio, que é uma bactéria, e o nitrogênio em suas raízes. Essas bactérias “fixam” o nitrogênio da atmosfera em amônia, que a planta pode usar para produzir proteínas. Resultando então, na melhoria do solo e no fortalecimento das gramíneas plantadas em consórcio.

A SCS 315 Catarina Gigante aceita muito bem o consórcio com leguminosas, especialmente as cultivares de amendoim forrageiro. Para o Sul, sugere-se o Lotus uliginosus SCS 313 Serrano e o Arachis pintoi.

Sobressemeadura de Inverno

A sobressemeadura de inverno é uma técnica que permite o maior aproveitamento da área de pastagem durante os meses frios. Época essa, em que a SCS 315 Catarina Gigante apresenta um crescimento mais reduzido. Recomenda a sobressemeadura especialmente do azevém BRS Ponteio. Aveia ou trevos também podem ser semeados.

Sistema Silvipastoril

O sistema silvipastoril é uma opção tecnológica que integra lavoura-pecuária-floresta (ILPF). Consiste na combinação simultânea de árvores, pastagens e gado, em uma mesma área. Consequentemente, garantindo sombra para os animais e renda extra com o reflorestamento.

Pastagem de Grama Missioneira-Gigante SCS 315 Catarina Gigante em área sombreada
Pastagem de Grama Missioneira-Gigante SCS 315 Catarina Gigante em área sombreada

Por aceitar até 40% de sombreamento, a SCS 315 é uma grama ideal para o sistema silvipastoril.

Considerações sobre a Grama Missioneira-Gigante SCS 315 Catarina Gigante

Se você possui uma propriedade rural em Santa Catarina, Paraná ou Rio Grande do Sul e deseja formar uma boa pastagem para bovinos, equinos, ovinos, caprinos, suínos ou aves, precisa conhecer a Grama Missioneira-Gigante SCS 315 Catarina Gigante. Uma forrageira perene de alta qualidade e produtividade, adaptada ao clima e ao solo da Região Sul.

Essa cultivar surgiu após mais de duas décadas de seleção e avaliação pela Epagri. Apresenta crescimento semiereto, com presença de estolões e grande capacidade de alastramento. Destaca-se ainda, pela predominância de folhas, alta palatabilidade e digestibilidade, resistência à cigarrinha-das-pastagens e adaptação a níveis moderados de sombreamento.

A implantação da pastagem se dá por meio de mudas, plantadas com espaçamento de 50 a 70cm entre elas. Não é obrigatório o preparo do solo, sendo possível o plantio direto.

E você, teve alguma experiência com essa forrageira? Deixe o seu comentário ou pergunta.

Publicado por Saty Jardim em / Atualizado em 5 de maio de 2023

Comentários:
  • Fernanda Cardoso

    Qual a diferença entre a grama Missioneira Gigante SCS 315 e outras variedades de grama?

    Responder
    • Saty Jardim

      Fernanda, a grama Missioneira-Gigante SCS 315 Catarina Gigante tem como principal característica o rápido crescimento e uma maior capacidade de suportar o frio e a geada, além de ser resistente a pragas como a cigarrinha-das-pastagens.

      Responder
Deixe o Seu Comentário:

quinze + 7 =