Capim-Elefante BRS Capiaçu

Blog, Pastagens

No cenário da agropecuária brasileira, o Capim-Elefante BRS Capiaçu emerge como uma solução revolucionária para a alimentação animal através da silagem. Desenvolvido pela Embrapa, esse cultivar destaca-se por sua produtividade excepcional e adaptabilidade a diferentes regiões. Com seu crescimento robusto e capacidade de produzir uma quantidade significativa de biomassa, o BRS Capiaçu não apenas oferece uma fonte de alimentação nutritiva para o gado, mas também contribui para a otimização da área utilizada, marcando um passo importante em direção a uma agropecuária mais eficiente e ecologicamente correta.

BRS Capiaçu x outras cultivares de capim-elefante

A BRS Capiaçu destaca-se no panorama agropecuário como uma variedade superior de Capim-Elefante (Cenchrus purpureus), principalmente pelo seu potencial de produção de biomassa. Em comparação com outras cultivares, essa cultivar produz cerca de 30% mais matéria seca, alcançando impressionantes 50 toneladas por hectare ao ano, ou até 300 toneladas de matéria verde, distribuídas em três cortes anuais. Essa capacidade não apenas assegura um fornecimento constante e volumoso de forragem, mas também coloca essa variedade em um patamar elevado de eficiência produtiva, ideal para maximizar os rendimentos e sustentar grandes rebanhos.

Além disso, a BRS Capiaçu exibe uma notável resiliência ao estresse hídrico, apresentando-se como uma opção viável ao cultivo do milho em áreas susceptíveis à seca ou veranicos. Essa tolerância à variação hídrica, aliada a um teor mais alto de carboidratos solúveis e de proteína bruta, faz dela uma escolha preferencial para a produção de silagem de alta qualidade. Comparada às suas congêneres, a BRS Capiaçu não só promove uma melhor nutrição animal, mas também representa uma alternativa mais adaptável e produtiva para a silagem, destacando-se como um recurso valioso para o futuro da pecuária e da produção sustentável de alimentos.

As características do Capim-Elefante BRS Capiaçu

O Capim-Elefante BRS Capiaçu destaca-se no cenário agrícola pelas suas notáveis características físicas e de crescimento. Com porte majestoso que ultrapassa os 4 metros de altura, esta cultivar apresenta touceiras de formato ereto, de alta densidade e boa resistência ao tombamento. Suas folhas são verdes, largas e compridas, sem pelos, com uma marcante nervura central branca, conferindo-lhe uma capacidade produtiva extraordinária. Seus colmos são robustos, com internódios longos e uma coloração amarelada. Todas essas características facilitam enormemente a colheita mecânica, um diferencial importante frente a outras variedades de capim-elefante.

Além da resistência física e do crescimento vigoroso, a BRS Capiaçu sobressai por sua adaptação e produtividade em condições adversas. A tolerância ao estresse hídrico e o florescimento tardio tornam-na uma alternativa atrativa ao cultivo de milho em áreas propensas a períodos de seca. Ideal para regiões de clima tropical, como o Bioma Mata Atlântica, a BRS Capiaçu exige solos profundos, bem drenados e férteis para atingir seu pleno potencial de produção de biomassa, que pode superar significativamente o rendimento do milho e da cana-de-açúcar. Essas características, aliadas à sua capacidade de produzir silagem de alta qualidade ou servir como picado verde, ressaltam o valor da BRS Capiaçu.

Qual é o diferencial da BRS Capiaçu?

O grande diferencial da BRS Capiaçu reside em sua capacidade extraordinária de produzir uma quantidade volumosa de massa verde por hectare, posicionando-a como uma excelente opção para a produção de silagem de bom valor nutritivo. Este rendimento notável, muito superior ao de outras cultivares tradicionais, permite uma otimização significativa dos recursos, maximizando a eficiência da alimentação animal e contribuindo para a economia na gestão agrícola. Esse atributo da planta a torna uma escolha atrativa para agricultores e pecuaristas que buscam aumentar a produtividade e qualidade da forragem, garantindo assim um melhor custo-benefício na alimentação do gado.

Qual a origem da BRS Capiaçu?

A BRS Capiaçu é resultado de um meticuloso programa de melhoramento do capim-elefante pela Embrapa Gado de Leite, marcando um avanço notável. Originada de cruzamentos dirigidos entre variedades selecionadas do Banco Ativo de Germoplasma, esta cultivar sobressaiu entre cinquenta clones em testes nacionais, graças ao seu desempenho excepcional. Sua oficialização veio com o registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento em 2015, consolidando sua posição como uma escolha de destaque para a produção de forragem para a pecuária.

A cultivar é indicada para quais animais?

A BRS Capiaçu, com seu alto rendimento na produção de biomassa, é indicada para nutrir uma ampla gama de animais, sobretudo ruminantes como bovinos, ovinos e caprinos. Sua silagem de alta qualidade e o picado verde no cocho se mostram excelentes fontes de alimentação, fortalecendo a dieta desses animais com nutrientes essenciais e proteína bruta. Essa versatilidade faz da cultivar uma escolha atrativa para pecuaristas que buscam maximizar a eficiência alimentar do seu rebanho de leite e/ou corte.

A silagem da BRS Capiaçu

Para elaborar a silagem da BRS Capiaçu, o momento ideal de colheita é quando a planta apresenta de 18% a 20% de matéria seca, aproximadamente entre 90 e 110 dias após a rebrota. Este processo exige a picagem do capim em partículas de 10 a 15 milímetros, uma compactação eficaz e um armazenamento cuidadoso, usualmente em sacos fechados, para maximizar a qualidade da fermentação. A técnica de ensilagem, seja ensacada ou em silo de superfície, juntamente com a BRS Capiaçu verde picada no cocho, tem sido uma estratégia valiosa para os produtores, visando aproveitar o máximo potencial dessa cultivar.

silagem de capim brs capiaçu
Silagem de capim BRS Capiaçu

A BRS Capiaçu, cultivar de alto rendimento desenvolvida pela Embrapa, revoluciona a produção de silagem, destacando-se significativamente em comparação com milho, sorgo e cana-de-açúcar. Além de um volume impressionante de massa verde por hectare, esta cultivar também apresenta uma boa composição nutricional. Com uma produção anual que pode chegar a 50 toneladas de matéria seca por hectare, essa cultivar de capim-elefante supera as demais culturas em produtividade. Embora apresente níveis inferiores de proteína bruta e nutrientes digestíveis totais, a BRS Capiaçu ganha no custo de produção e quantidades totais produzidas por hectare. Este rendimento superior, junto à sua adaptabilidade a diferentes condições climáticas e solos, torna essa variedade uma opção interessante para alimentação animal, sobretudo em regiões propensas a estresses hídricos, conferindo-lhe uma posição de destaque entre as cultivares de capim-elefante​

SilagensMatéria secaProteína brutaNutrientes digestíveis totais
Produção (t/ano)Custo (R$/t)Produção (t/ha/ano)Custo (R$/t)Produção (t/ha/ano)Custo (R$/t)
BRS Capiaçu*52,0130,852,652.565,7023,61288,22
Milho28,0304,462,044.468,6517,67516,98
Cana32,3226,910,6511.345,3418,75391,22
Sorgo24,0232,361,463.809,2515,60357,48
* Considerando 3 cortes ao ano / Fonte: Embrapa 2016

A BRS Capiaçu suporta o frio e as geadas do Sul do Brasil?

A BRS Capiaçu suporta o relativamente o frio do inverno e geadas leves, principalmente se a capineira estiver em local mais alto. Sob condições de frio intenso, ventos ou ocorrência de geadas fortes poderá ocorrer “queima” das folhas. Passada a estação fria, as touceiras voltam a emitir novos perfilhos, sendo improvável a ocorrência de morte de plantas. A cultivar demonstra maior tolerância a ocorrência de geadas em relação à cultivares mais antigas de Capim-Elefante.

Quais os níveis de proteína da BRS Capiaçu?

A BRS Capiaçu pode ser fornecida tanto em forma de forragem verde picada no cocho, quanto na forma de silagem. O níveis de proteína bruta variam conforme a idade de corte e o tipo de fornecimento. Para o fornecimento picado verde, a proteína bruta fica entre 9,7 (cortado com 50 dias) e 5,6 (cortado com 110 dias). Já para a silagem, a proteína bruta varia entre 5,9 (cortado em 90 dias) e 5,1 (cortado em 110 dias).

Idade de corte em diasPicado verdeSilagem
Matéria seca (%)Proteína bruta (%)Nutrientes digestíveis totais (%)Matéria seca (%)Proteína bruta (%)Nutrientes digestíveis totais (%)
509,39,750,1NDNDND
7013,87,747,9NDNDND
9016,46,246,218,05,346,8
11019,75,645,620,45,145,4
Valor nutricional do BRS Capiaçu / Fonte: Embrapa

Plantio do Capim-Elefante BRS Capiaçu

Para o estabelecimento de uma capineira de BRS Capiaçu, é necessário uma preparação cuidadosa do solo que começa bem antes do plantio. Inicialmente, é preciso escolher uma área que permita a mecanização agrícola e possua solo fértil, profundo e com boa drenagem.

Quais as exigências de clima e solo para cultivo?

A BRS Capiaçu exige condições climáticas e de solo específicas para alcançar seu pleno potencial. Ideal para climas tropicais, como os do Bioma Mata Atlântica, esta cultivar de capim-elefante precisa de uma terra fértil, profunda e bem drenada. O solo precisa ser capaz de segurar a umidade certa sem se afogar em excesso de água. Além disso, essa cultivar requer níveis de pH acima de 5,5. Observando esses requisitos juntamente com o manejo e adubação correta, a capineira de BRS Capiaçu alcançará todo o seu potencial produtivo..

Como devo preparar o solo para o cultivo do capim-elefante?

Ao considerar o cultivo da BRS Capiaçu, é imprescindível escolher um terreno que possua solo fértil, profundo e com boa drenagem. Além disso, a exigência da cultivar por nutrientes deve ser atendida com uma análise completa do solo, ajustando a acidez através da calagem, preferencialmente 60 dias antes do plantio. A terra deve ser revolvida com arações e gradagens, assegurando que a superfície esteja livre de plantas daninhas e pronta para receber as mudas de Capiaçu. Por último, é feita a sulcagem para o plantio das ramas (mudas).

Como plantar o capim BRS Capiaçu?

Para plantar a robusta BRS Capiaçu, comece com sulcos de 20 a 30 cm de profundidade, mantendo o espaçamento entre linhas de 0,80 m a 1,0 m (para colheita manual) ou de 1,20 m (para colheita mecanizada). Em sequencia, adube conforme os resultados da análise de solo e cubra com um pouco de terra. Coloque os colmos (com 2 a 3 gemas) alternando a base e o topo para estimular o despertar. Finalize cobrindo dois terços dos sulcos com terra, sem exageros, permitindo que as plantas surjam com facilidade.

Plantio do Capim Elefante BRS Capiaçu
Plantio do Capim-Elefante BRS Capiaçu

Qual a melhor época para plantar essa cultivar?

Na região Sul, a capineira deve ser implantada preferencialmente entre os meses de agosto e novembro. Nas demais regiões, o plantio deve ser realizado no início da estação chuvosa.

Quantas mudas eu preciso para formar 1 hectare do BRS Capiaçu?

Para formar 01 hectare de capineira, você precisará de 10 a 20 mil mudas ou gemas de BRS Capiaçu, aproximadamente.

Qual é o tempo de formação da capineira?

Mantendo-se as condições ideias de plantio e cultivo, a capineira estará pronta para o seu primeiro corte em 90 a 120 dias, após o plantio. Posteriormente, esse também será a duração de cada ciclo de crescimento e corte (exceto durante os meses frios).

Como deve ser manejada esta cultivar de capim-elefante?

Para garantir o vigor da BRS Capiaçu, a irrigação é chave, sobretudo em estiagem, optando por métodos como aspersão ou pivô central. Busque sempre aconselhamento técnico para instalar o sistema mais eficaz. E não esqueça de realizar a adubação em cada ciclo, quando as plantas alcançarem 50 cm, assegurando uma touceira rica em matéria verde. Com um manejo adequado, a capineira pode manter-se produtiva por mais de 10 anos, sem necessidade de replantio.

Insetos, pragas e plantas daninhas

Essa cultivar, apesar de resistente, não é imune à cigarrinha das pastagens, mas com manejo adequado, mostra boa tolerância. O controle de plantas daninhas é crucial; sem ele, há risco de diminuição de até 42% na matéria seca. Atenção é fundamental nos primeiros 40 dias após o plantio para evitar perdas significativas e manter a integridade da cultura.

Considerações finais sobre o Capim-Elefante BRS Capiaçu

Com a introdução do Capim-Elefante BRS Capiaçu na agropecuária nacional, percebemos um avanço significativo em direção a uma produção animal mais sustentável e eficiente. Esta variedade robusta e produtiva da Embrapa promete uma revolução na alimentação do gado, ofertando mais biomassa por hectare e se mostrando resiliente diante dos desafios climáticos. É uma aposta no uso otimizado do solo, aliando volume e nutrição em uma forrageira de qualidade.

Com o BRS Capiaçu, os pecuaristas encontram uma alternativa para silagem mais economicamente viável em comparação ao milho. Além de ser um recurso que permite maximizar a eficiência da alimentação animal. Ou seja, com suas boas características nutricionais e alta produção, esta cultivar não só promete uma nutrição mais barata para o rebanho, mas também permite o uso dos recursos disponíveis e da terra de maneira mais inteligente.

Ficou com alguma dúvida sobre essa cultivar de capim-elefante desenvolvida pela Embrapa? Deixe o seu comentário logo a baixo.

Publicado por Saty Jardim em / Atualizado em 15 de abril de 2024

Deixe o Seu Comentário:

2 × 2 =